A Mensagem de Israel ao mundo árabe mudou – por Francisco Vianna (19 julho 2014)

O HAMAS EXIBE UMA FALSA EUFORIA PARA ESCONDER A PREOCUPAÇÃO DE QUE ISRAEL PROVAVELMENTE O EXPULSARÁ DA FAIXA DE GAZA, SE NECESSÁRIO.

O conflito na Faixa de Gaza situa Israel em meio a lados preocupados no mundo islâmico sunita. Se Israel quiser por um fim a ele, as regras do jogo precisam mudar, e depressa.

Veículo armado transportador de tropas das FDI a cruzar um campo próximo à fronteira com a Faixa de Gaza no sul de Israel na sexta feira de ontem, 18 de julho de 2014 (Foto: Flash90).

A iniciativa de cessar-fogo do Qatar ilustra como a contínua escalada do conflito em Gaza, na verdade, não tem nada a ver com Israel em si, mas, tristemente, a nação judaica se viu enredada e envolvida numa guerra que tem proporções muito mais amplas, e que vem como um reflexo da disputa sem fim entre dois eixos rivais no mundo islâmico sunita.

De um lado estão o Egito e a Autoridade Palestina, com a Jordânia e a Arábia Saudita provavelmente indo se juntar a eles no próximo par de dias. Por outro lado, o Qatar, a Turquia e o Hamas, bem como outros defensores globais da Irmandade Muçulmana. Esta é uma guerra por procuração sob todas as intenções e propósitos.

Não se engane o leitor, pois o Hamas continua comprometido com a destruição de Israel e, de um modo mais amplo com o jihad ou guerra santa contra o Ocidente. Por isso, o Hamas está a disparar foguetes contra Tel Aviv e enviar terroristas através de túneis, no sul de Israel, que aportam, em essência, no Cairo e conta com o apoio de Doha e Ancara.

Ambos os lados usam a população palestina da Faixa de Gaza e agentes infiltrados na Cisjordânia para agredir Israel, na condição de buchas de canhão, pois não cabe alternativa a Israel senão a de defender-se com as armas que tem.

O que emerge desse estado de coisas, e das demandas infundadas do HAMAS como aparecem na proposta de cessar-fogo do Qatar, é que esta crise está longe de terminar. O HAMAS está confiante, até mesmo eufórico, e nos últimos dias, as pessoas que entraram em contato com os líderes dessa organização terrorista antissemita que usa os palestinos relatam que a sensação que eles transmitem é a de que o HAMAS está sitiando Tel Aviv e que irá começar a invasão de Israel em breve, e não o contrário, ou seja, admitirem que as FDI estejam varrendo sem maiores dificuldades a Faixa de Gaza com suas tropas terrestres e que deverão eliminar o HAMAS do enclave palestino.

Num encontro com o Presidente da Autoridade Palestina um arremedo de estado mantido com o dinheiro da ONU , Mahmoud Abbas, no Cairo na última quarta feira, Moussa Abu Marzouk, subchefe do escritório político do Hamas, rejeitou os apelos de Abbas para que parasse com o lançamento de foguetes contra Israel visando um cessar-fogo e explicou que, “afinal, o que são 200 mártires em comparação com o levantamento do bloqueio militar naval e terrestre da Faixa de Gaza, que os israelenses consideram tão importante para a sua ilusória segurança? Abu Marzouk, mais tarde escreveu pelo Tweeter que não haverá trégua alguma que não reconheça as demandas da resistência e que é melhor que Israel ocupe a Faixa de Gaza do que continue com o seu bloqueio militar. Abu Marzouk, desnecessário dizer, reside no Cairo, longe da ameaça da reação israelense com seus ataques aéreos cirúrgicos, pelos quais, provavelmente já estaria morto.

Sua intenção é fazer com que Israel reconsidere suas noções pré-concebidas e seus planos de ação em relação ao HAMAS. O conceito básico que norteou Israel nos últimos anos é o de que o controle do Hamas na Faixa tem sido administrável e, até mesmo “bom para os judeus”, e no final das contas, menos risco para a segurança do que qualquer cenário alternativo. Mas Israel já não pode se dar ao luxo de transmitir a mensagem de sempre, qual seja a de que a “calma será recebida com calma”.  A mensagem, agora, é a de que a agressão será recebida com a perda do território e o extermínio da organização terrorista, pois a Israel não resta outra opção para existir.

O HAMAS vem operando na suposição básica de que Israel acabará por agir para preservar seu domínio sobre a Faixa de Gaza e, daí a atual confiança do grupo terrorista e, mesmo, sua euforia. Também acredita que Israel não quer, de fato, eliminá-lo ou matar seus líderes.

Para forçar esses líderes a reconsiderar a sua atitude, portanto, Israel deverá, no entanto, agilizar o que começou, e depressa. O HAMAS precisa entender que as regras do jogo já mudaram e que Israel está disposto a destruí-lo bem como o seu regime local, reincorporando toda a Faixa de Gaza ao país, se necessário.

Tzipi Livni deu o primeiro passo nessa direção, para a surpresa de seus entrevistadores, ao dizer pelo Canal 2 da mídia judaica, nesta última sexta feira à noite, que não descartou a ideia de eliminar o HAMAS, caso isso seja preciso para restaurar uma calma sustentada no seio da população palestina de Gaza.

O que há, todavia, até o momento, não é uma recomendação explícita para as FDI reocupar e reincorporar o pequeno território litorâneo de Gaza ao pai, mas, apenas a missão de pôr fim ao conflito pela única opção deixada aos judeus, eliminar o HAMAS como grupo terrorista, o que implica a levá-lo a crer que o seu desaparecimento será iminente, caso ele não deponha suas armas. Certamente, seus líderes, por enquanto, não pensam em nada parecido com nisso no momento.

A proposta de cessar-fogo apresentada pelo Qatar se constitui mais ou menos dos mesmos termos que o HAMAS vem exigindo desde o início da operação, inclusive com algumas exigências adicionais, como a libertação de prisioneiros como ocorreu no acordo de troca de Gilad Shalit, onde os libertados foram presos novamente na recente varredura da Cisjordânia pelas FDI. Também exige a abertura da passagem de Rafah com o Egito, além da construção de um porto em Gaza e muito mais. Tais exigências devem ser cumpridas paralelamente com um cessar-fogo.

Esses termos foram encaminhados ao governo americano, que foi convidado pelo Qatar para intermediar as tratativas com Israel. Um dos objetivos embora não o único era o de manter o Egito fora do esforço de cessar-fogo.

O tratamento desta questão pelos norte-americanos, no entanto, tem sido tipicamente hesitante e pouco claro, como, por sinal, têm sido as posições de Barak Obama em relação ao habitual apoio a Israel por parte da Casa Branca. Washington flertou tanto com Doha como com o Cairo.

Foi só depois que Israel exigiu que o Qatar ficasse de fora das negociações e a partir da imagem de que os EUA teriam ao anunciar seu apoio à iniciativa egípcia, com suas cláusulas que, que em grande parte ignoram as exigências do HAMAS, que Israel, a Liga Árabe, os EUA rapidamente se entenderam.

Empresas do Qatar dão apoio contínuo ao HAMAS, o que explica a sua retirada plena da proposta egípcia. No Egito, o ministro do Exterior Sameh Shukri entendeu bem isso e acusou diretamente Doha e Ancara de tentarem minar deliberadamente seus esforços de cessar-fogo. A Turquia reagiu ferozmente, com o primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan chamando o presidente egípcio, Abdel-Fattah el-Sissi, de ditador.

E assim, as iras sunitas da guerra são claras com a possibilidade de um cessar-fogo entre o HAMAS e Israel, tornando o cessar-fogo mais remoto. Abbas ainda está tentando preencher a lacuna entre as partes entre Qatar, Turquia e Egito, ou seja, não entre o HAMAS e Israel. Mas é duvidoso que ele venha a ser o homem capaz de reunir o mundo sunita, amargamente dividido.

Aliás, a sorte de Israel muitos já disseram isso com boa dose de razão consiste na aparente incapacidade de unificação do mundo árabe, fortemente dominado pelo islã.

Não tendo mais o que fazer e fustigado pela barragem de foguetes meia-bocas que Gaza tem despejado sobre o estado judaico, Israel foi forçado a seguir a única opção de sobrevivência que lhe restou e a mensagem que agora passa aos árabes é a de que quem com ferro fere, com ferro será ferido, isso para dizer o mínimo.

Tel Aviv sabe que, por outro lado, a reincorporação da Faixa de Gaza o obrigará a repensar com cuidado o destino da população palestina que lá habita, acostumada a pensar que quanto maior for o sofrimento mais créditos terão junto a Allah e que a imolação da guerra vai garantir a essa gente pobre e miserável as maravilhas do paraíso islâmico.

Comentarios

Recientes

spot_img

Artículos Relacionados

Donaciones

 

En “Hatzad Hasheni” seguimos produciendo contenidos verdaderos y confiables para que te sigas sintiendo orgulloso de lo que eres…

¡Ayúdanos ahora con tu donación!

¡Súmate al proyecto que modifica percepciones!

CLICK AQUI PARA DONAR

Gracias por donar en este importante proyecto de diplomacia publica.